Antena Livre

DGS anuncia normas para visitas aos lares

Agendamento prévio, só uma vez por semana e por utente, e distanciamento de dois metros entre os utentes e os familiares. Estão são algumas das medidas previstas para a retoma das visitas aos lares de idosos na próxima segunda-feira (18 de maio).

As normas foram anunciadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), ontem à noite. As visitas aos lares tinham sido suspensas em março, por causa da pandemia do novo coronavírus.

Segundo as normas da DGS, as visitas terão de ocorrer num espaço próprio, de preferência no exterior da instituição, mantendo a distância de segurança de dois metros entre os utentes e os familiares. Numa fase inicial, cada utente só poderá receber a visita de uma pessoa, uma vez por semana, e com tempo limitado, não devendo exceder os 90 minutos.

A DGS acrescenta ainda que as instituições devem garantir o agendamento prévio das visitas, para que possa ser assegurada a utilização adequada do espaço, a higienização entre visitas e a manutenção do distanciamento físico apropriado. Os lares também terão de organizar um registo de visitantes, com indicação do nome e contacto, da data e hora da visita e do utente visitado.

“As pessoas com sinais ou sintomas sugestivos de Covid-19 ou com contacto com um caso suspeito ou confirmado de Covid-19 nos últimos 14 dias não devem realizar ou receber visitas”, pode ler-se na nota assinada pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

“A instituição deve garantir que a visita decorre em espaço próprio, amplo e com condições de arejamento (idealmente, espaço exterior), não devendo ser realizadas visitas na sala de convívio dos utentes ou no próprio quarto, exceto nos casos em que o utente se encontra acamado (nos casos de quartos partilhados terão de ser criadas condições de separação física)”, acrescenta o comunicado.

Os visitantes terão de utilizar máscara, “preferencialmente cirúrgica”, durante o período de permanência na instituição, ficando ainda impedidos de levar objetos pessoais, bens alimentares ou outros produtos aos utentes.
Já as instituições devem disponibilizar aos visitantes “produtos para higienização das mãos, antes e após o período de visitas” e definir, sempre que possível, “definir corredores e portas de circulação apenas para as visitas, diferentes dos de utentes e profissionais”, bem como assegurar o cumprimento das regras da DGS, incluindo o uso correto da máscara por parte dos utentes.